PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA ,ES,BR

PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA ,ES,BR
ENTARDECER NA PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA,ES,BR

SERGIO DE MATOS Headline Animator

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

ATÉ ESCOLAS DE SAMBA NO BLOCO DO PETROGATE

O BLOCO DO PETROGATE

ATÉ ESCOLAS DE SAMBA

ENVOLVIDAS NO PETROGATE

Intocável, Lula mandou Petrobras liberar 

mais de R$ 12 milhões para escolas de samba

A Petrobras repassou mais de R$ 12 milhões em patrocínios
para as 12 escolas de samba do Rio de Janeiro em 2008
 a mando do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que governava o País naquele ano.
A liberação foi feita sem licitação e resultou em prejuízos financeiros para a petroleira,

 segundo o ex-gerente de Comunicação do Abastecimento da empresa, Geovani de Morais, em entrevista ao jornal Valor Econômico desta segunda-feira (5).
Então militante do PT na Bahia, Morais foi demitido da Petrobras em 2009
depois de uma auditoria interna constatar irregularidades em contratos sob sua responsabilidade.
Segundo ele, na reportagem, o objetivo da Petrobras era esconder patrocínios que provocaram um prejuízo de R$ 58 milhões em serviços pagos, mas não prestados, pela comunicação em 2008.
O texto diz ainda que houve mais R$ 44 milhões pagos em duplicidade e que as estimativas de desvios da área chegam a R$ 151 milhões.
Oficialmente, a Petrobras informou à reportagem do Valor Econômico que o dinheiro repassado às escolas de samba era ajudar as comunidades onde as agremiações estão instaladas.
Mas, segundo o texto, os repasses foram maiores que os R$ 12 milhões.
Um contrato para organizar dois camarotes, por exemplo, custou R$ 4,7 milhões em 2008.
 Esses camarotes eram para a própria Petrobras e para a Diretoria de Abastecimento,
 então comandada por Paulo Roberto Costa.
Segundo o depoimento de Morais a que o jornal teve acesso, a ordem de Lula para liberar a grana veio por meio de Paulo Roberto Costa: “Em 10 de janeiro de 2008, o diretor Paulo Roberto Costa chama eu [sic], a Carmen [Swire, na época, gerente-geral do Abastecimento] e a Venina [Velosa da Fonseca, então gerente-executivo] na sala dele e disse que o Lula disse que era para dar R$ 1 milhão para cada escola”.
Morais, então, argumentou que não havia tempo para uma licitação: “Faltavam 15 dias e, em 15 dias, você não contrata nem licita muito menos numa condição dessas”.
 A área técnica da Petrobras, então, disse que não dava para atender ao pedido de Lula, mas o caso, segundo a reportagem, foi parar na Secom (Secretaria de Comunicação) da Presidência e voltou com a ordem de executar o repasse porque “o presidente quer porque quer”, segundo Morais.
Segundo Morais, o jeitinho foi “patrocinar o samba como patrimônio imaterial do Brasil”.
O ex-gerente informou que assumiu o risco sozinho para repassar o dinheiro às escolas de samba e que “toda a diretoria estava lá” nos camarotes da Petrobras no carnaval em 2008. Segundo ele, “só tinham vacas gordas”, em alusão ao então diretor de Abastecimento, Paulo Roberto Costa; Graça Foster, atual presidente da empresa; e outros diretores da petroleira.
O jornal procurou as assessorias do Instituto Lula, que disse, em nota, que a fiscalização do patrocínio cabe à Petrobras. José Sérgio Gabrielli, presidente da estatal na época dos repasses, afirmou que houve uma apuração interna e que o gerente Geovani de Morais foi demitido. (Via R7) 





Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...