PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA ,ES,BR

PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA ,ES,BR
ENTARDECER NA PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA,ES,BR

SERGIO DE MATOS Headline Animator

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

JE NE SUIS PAS LESBIAN DILMÁ

JE NE SUIS PAS LESBIAN DILMÁ
FMI reduz projeções e aponta estagnação do Brasil em 2015

FMI reduz projeções e aponta estagnação do Brasil em 2015
A investigação do esquema de corrupção na Petrobras está 
entre os motivos da forte revisão da projeção de crescimento
 da economia do Brasil em 2015 feita pelo Fundo Monetário Internacional (FMI),
 de acordo com a equipe de economistas da instituição. 
O ano será novamente de estagnação, com expansão de apenas 0,3%,
 um corte de 1,1 ponto percentual sobre o número de outubro,
 revelou o relatório trimestral Panorama da Economia Mundial,
 divulgado na madrugada desta terça-feira, na China.

Contribuíram para a nova estimativa os resultados decepcionantes 
do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro no segundo semestre do ano passado
 e o novo ciclo de aperto dos juros pelo Banco Central (BC),
 num contexto de queda dos preços das commodities,
 importantes motores da atividade produtiva no Brasil, 
e de ritmo morno da economia internacional, afirmou 
Gian Maria Milesi-Ferretti, vice-diretor do Departamento de Pesquisa do FMI.

O número está em linha com o mercado —
 que pela pesquisa semanal Focus do BC estima, em média, 0,38%. 
Porém, é mais pessimista do que a expectativa do governo, de 0,8%,
 incluída na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO).
 Para 2016, a recuperação brasileira será modesta, 
 de expansão de 1,5%, 0,7 ponto inferior ao estimado há três meses.

— A estimativa para 2015 depende do que ocorreu especialmente 
na segunda metade de 2014, e a atividade foi bastante fraca,
 em especial o investimento. 
A incerteza (gerada pelas eleições presidenciais) 
foi resolvida, mas houve o impacto das investigações na Petrobras,
 que claramente afetaram confiança e acrescentaram incertezas, 
por exemplo relacionadas aos planos de investimento da empresa,
 também impactada pelos preços do petróleo.
 E a política monetária foi apertada para lidar com as pressões inflacionárias, 
 
o que claramente freou a demanda doméstica — explicou Milesi-Ferretti.

Tudo isso se desenvolveu em meio à desaceleração dos preços das commodities,
 iniciada em 2011, que tem sido particularmente penosa para a América Latina,
 afirmou o economista-chefe do FMI, Olivier Blanchard. Segundo ele, 
este é o pano de fundo dos repetidos cortes de projeções para as economias latinas,
 Brasil incluído, nos últimos dois anos:

— Esse é um processo de aprendizado.
 Nós estamos aprendendo que o crescimento alto (da América Latina) 
no começo dos anos 2000 não pode ser sustentado. 
Esse é o fator comum, mas cada país reage a essas quedas (das commodities) 
de modo diferente, alguns melhor do que outros. 
É um contexto que tem que se pensar sobre o Brasil.
 Mas há fatores específicos que explicam por que a estimativa para o Brasil é tão baixa.

NO BRICS, BRASIL SÓ ESTÁ MELHOR QUE RÚSSIA

A América Latina só não terá desempenho pior este ano do que a do bloco
 de ex-repúblicas soviéticas, que, puxado pela retração econômica projetada
 
 para a Rússia em 2015 e 2016, registrará recessão este ano.
 Na comparação entre as nações que compõem o Brics 
(grupo dos maiores emergentes), o Brasil só não apresentará resultados 
mais fracos do que os russos em 2015 e 2016
 (queda de 3% e 1%, respectivamente, devido às crises externa e energética).

A China continua desacelerando, de forma ordenada,
 refletindo a transição da economia dos investimentos para o consumo.
 O ritmo desta transformação está mais rápido do que estimava o FMI
 e coloca a expansão chinesa abaixo de 7% no biênio: 6,8% em 2015 e 6,3% em 2016.
 A China divulgou hoje que a alta de seu PIB em 2014 foi a mais lenta em 24 anos: 7,4%.

Já a Índia segue favorecida por reformas internas feitas nos últimos dois anos,
 que potencializaram o crescimento indiano: 6,3% este ano e 6,5% no próximo.
 O PIB da África do Sul deverá ter alta de 2,1% e 2,5%, respectivamente.

Em média, espera-se que as nações emergentes registrem crescimento
 
 de 4,3% em 2015 e 4,7% em 2016.

— A desaceleração da China reflete uma decisão bem-vinda 
de reorientar a economia, movendo-se do foco no mercado imobiliário
 e no shadow banking para o consumo.
 No entanto, este crescimento mais lento está afetando o resto da Ásia 
— afirma Olivier Blanchard.

Essa correlação de forças entre os efeitos de um mesmo desdobramento 
 relevante para a economia internacional é a tônica de 2015,
 com as influências negativas se sobrepondo neste início de ano,
 explica Blanchard. Por isso, as projeções para o crescimento este ano 
e em 2016 foram reduzidas em 0,3 ponto percentual, para 3,5% e 3,7%, respectivamente.

— A economia mundial enfrenta um forte e complexo choque de correntes.
 Por um lado, economias de porte estão se beneficiando da queda do preço do petróleo.
 Por outro, em muitas partes do mundo as perspectivas de longo
 prazo afetam a demanda adversamente, resultando em grande ressaca —
 disse Blanchard.

O conjunto dos países ricos exemplifica bem estes sinais trocados. 
 Enquanto os EUA avançam mais rapidamente do que projetado anteriormente,
 a zona do euro permanece patinando, necessitando de estímulos adicionais,
 ameaçada por conflitos políticos e arriscando uma deflação. 
E o Japão, diz o economista-chefe do FMI, “foi uma das principais decepções de 2014”,
 entrando em recessão no fim do ano,
 após a repercussão inicial positiva da chamada Abenomics.

PETRÓLEO BARATO E DÓLAR FORTE SÃO AMEAÇAS

Olhando adiante, há vários outros riscos no horizonte global.
 Além das direções opostas entre os países e as regiões,
 
 o comportamento do preço do petróleo representa um desafio. 
A cotação do barril recuou, em dólares, 55% desde setembro, 
de cerca de US$ 100 para menos de US$ 50.
 Para países importadores, especialmente os avançados, a mudança 
libera renda de governos e consumidores.
 No entanto, afeta investimentos no setor de energia — 
como o shale gas/oil (gás/óleo não convencional) nos EUA
 e o pré-sal no Brasil — e constrange receitas de países exportadores.
 Os fatores negativos se sobrepõem.

Ainda, a apreciação global do dólar e a depreciação do iene,
 do euro e de moedas de emergentes, como o real, vão afetar 
termos de troca no comércio e níveis de endividamento.
 Ao aumentar o apetite americano por produtos, porém,
 pode animar economias parceiras dos EUA, como Japão e as europeias.

Completa o balanço de riscos o aperto das condições financeiras internacionais.
 Os juros estão em alta em boa parte do mundo — 
 encarecendo investimentos e consumo — 
e cresceram os riscos de turbulências. 
Prêmios de risco (custo de captações e financiamentos)
 já começaram a subir, antecipando elevação da taxa básica dos EUA
 a partir da virada do semestre, nova política monetária 
expansionista na zona do euro e os desequilíbrios internos das nações, 
notadamente emergentes como o Brasil.

O FMI recomenda à comunidade internacional força total 
na adoção de medidas que elevem crescimento potencial dos países,
 como investimentos 
 em infraestrutura, reformas estruturais (tributária, trabalhista, 
 previdenciária etc) e simplificação regulatória.

"Na maioria das economias, elevar o crescimento potencial é uma política prioritária. 
Há necessidade urgente de reformas estruturais em várias economias,
 avançadas e emergentes", diz o FMI.

Segundo Olivier Blanchard, no curto prazo a única esperança 
de um cenário mais animador para a economia mundial 
é que os efeitos positivos da queda do preço do petróleo
, contrariando a expectativa, se imponham ao negativos.

— Avaliar os efeitos da queda da cotação do petróleo no atual ambiente é difícil. 
Esse recuo pode acabar sendo um empurrão maior do que o que está implícito
 em nossas projeções. Em outras palavras, quando divulgarmos 
as próximas previsões, em abril, nossas projeções (de janeiro) 
poderão ter sido muito pessimistas. É o que muito espero — 
 disse o economista-chefe do FMI.




Fonte: PBHOJE e oglobo.com

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...