PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA ,ES,BR

PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA ,ES,BR
ENTARDECER NA PRAIA DE ITAPARICA,VILA VELHA,ES,BR

SERGIO DE MATOS Headline Animator

sexta-feira, 5 de junho de 2015

BEM-VINDOS AO BRASIL E FODAM-SE..LEVAS DE POBRES REFUGIADOS TRAZIDOS PELOS PETRALISTA ENCHEM AS CIDADES BRASILEIRAS DE POBRES E NEGROS

 BEM-VINDOS AO BRASIL 

E FODAM-SE..

LEVAS DE POBRES REFUGIADOS TRAZIDOS PELOS PETRALISTA,

 ENCHEM AS CIDADES

 BRASILEIRAS DE POBRES E NEGROS

Bem vindos ao Brasil. E virem-se

O número de estrangeiros que entram como refugiados no Brasil aumentou 2200% desde 2010. Eles fogem de catástrofes naturais, de guerras e da miséria e encontram um país de braços abertos... apenas até a porta do aeroporto. A partir daí, têm de se virar com a língua, a falta de empregos e o assédio de traficantes

Por: Leonardo Coutinho com fotos de André Liohn - Atualizado em



Os barcos abarrotados de migrantes à deriva - ou naufragados -
 no Mediterrâneo e no Ocea­no Índico são,
também, um problema brasileiro. Dos 14 milhões de pessoas que
, segundo a Organização das Nações Unidas (ONU),
 tiveram de fugir de guerras,
 catástrofes naturais ou condições de vida miseráveis
em seu país de origem, 75 000 estão no Brasil. Destes,
 46 000 são haitianos, que uma vez em solo brasileiro
 têm direito a reivindicar um visto especial, que lhes garante
permanência imediata, e pouco mais de 21 000
estão à espera da aprovação do seu pedido de refúgio.
Apenas 7 662 já possuem o passaporte brasileiro de refugiado.
 Por qualquer número que se use como parâmetro, o Brasil é
 um destino irrelevante comparado ao fluxo desesperado
 de pessoas no restante do mundo.
Uma visita às ruas do centro, aos prédios ocupados por sem-teto
 e às mesquitas e igrejas das regiões mais pobres das grandes cidades brasileiras,
 porém, mostra que a questão dos refugiados está longe
 de ser irrelevante para o país. Nos últimos quatro anos,
o número de estrangeiros que chegaram ao Brasil
 e pediram refúgio aumentou 2 200%.
A informação de que a lei brasileira sobre o assunto, de 1997,
é uma das mais liberais do mundo - basta ficar na fila da imigração,
 mesmo sem passaporte, e pedir refúgio para conseguir entrar -
 está se espalhando rapidamente nos países conflagrados.
O problema é que os solicitantes são despejados na sociedade
brasileira sem nenhum filtro, preparo, orientação ou ajuda do Estado.
 Muitos entram em um novo ciclo de miséria ou são cooptados
 pelo crime organizado. Segundo um levantamento da Polícia Federal,
um em cada quatro atravessadores detidos neste ano no
Aeroporto de Guarulhos tentando sair do Brasil com drogas
na mala ou presas ao corpo tem passaporte de refugiado.
 Não é possível saber quantos já chegaram ao Brasil como
 soldados do tráfico e quantos foram aliciados depois.
O fato é que a entrada é muito fácil.
Difícil é encontrar um rumo depois de passar pela imigração.
 Na PF, os estrangeiros recebem a sugestão de procurar a ajuda
de instituições filantrópicas ou centros de culto de sua religião.
Sem saber falar português, levando consigo apenas um protocolo
do processo de solicitação de refúgio, a maioria passa horas
e até dias nos aeroportos de desembarque antes de
 conseguir tomar um rumo.
No bairro do Pari, em São Paulo, a mesquita sunita local
 tornou-se um dos centros de referência para quem chega à cidade.
 "Muitos taxistas já sabem que é para trazer os refugiados aqui",
 diz o xeique Rodrigo Rodrigues.
No centro da capital paulista, outra mesquita concentra
principalmente muçulmanos africanos.
 No ano passado, cerca de 200 foram abrigados nas dependências do templo.
 Atualmente, 42 refugiados vivem no local. Sem dinheiro para cobrir as despesas,
o nigeriano Maruf Lawal, administrador da mesquita, recolhe doações de alimentos,
 que são usados no preparo de uma refeição diária para cada abrigado.
"Como sírio, eu serei eternamente grato ao Brasil
por abrir as portas a quem foge da guerra e da violência,
sobretudo aos meus conterrâneos.
 Mas ser um país receptivo não basta.
 É preciso ter uma política para acolher bem",
diz o xeique Mohamad Al Bukai, imã da mesquita de Santo Amaro
e presidente da Sociedade Beneficente Muçulmana.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...